Projeto Angra Doce é debatido em Carlópolis

Uma região nas margens que da Represa Xavantes e que envolve municípios do Paraná e São Paulo. Este é o Projeto Angra Doce que vem trabalhando para fomentar o turismo ainda mais na região. Pelo lado paranaense estão: Carlópolis, Jacarezinho, Ribeirão Claro, Salto do Itararé e Santana do Itararé.

Na última semana uma reunião com o Secretário Estadual de Desenvolvimento Sustentável e do Turismo Márcio Nunes, o deputado federal Pedro Lupion, o deputado estadual Romanelli, prefeitos integrantes pelo lado paranaense e lideranças deram mais um passo para a ação.

O prefeito de Carlópolis Hiroshi Kubo explica que a intenção e fomentar ainda mais o turismo e com o apoio do Governo do Estado será cada vez mais primordial esta situação. “A formalização como interesse turístico também impulsionará o projeto Angra Doce para o desenvolvimento do turismo, reformas de estradas, saneamento básico, saúde, obras, entre outros”, ressalta.

O deputado federal Pedro Lupion lembrou quando estava na Assembleia Legislativa fui um dos autores para a região ser considerada Lei no âmbito estadual. Além disso, a Área Especial de Interesse Turístico e denominada Angra Doce foi sancionada pelo Presidente Jair Bolsonaro a Lei 13.921 pela esfera federal.

O mapeamento do projeto Angra Doce teve o apoio das universidades da região e do Programa Cidades do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU). A proposta prevê uma governança envolvendo vários setores dos dois estados, abrangendo governo, universidades e sociedade civil.

O deputado estadual Romanelli também destacou o potencial da região. “É um projeto que vem sendo concretizado a cada dia. Temos uma bela paisagem e potencial para ser referência em todo o Brasil no âmbito da cultura”, argumenta Romanelli.

ATRATIVOS

A região é propícia para a prática de vários esportes, como rafting, canoagem, trekking, asa delta, voo livre, paraglider, parapente, equitação, passeios náuticos e pesca esportiva. Além disso, também possui cachoeiras, trilhas, praias artificiais e lugares históricos, como a ponte pênsil Alves de Lima, que foi destruída durante a Revolução Constitucionalista de 1932 e reconstruída quatro anos mais tarde.

A região abriga água, cascatas e praias ao redor do lago da represa de Chavantes. São 400 quilômetros quadrados de extensão e o lago tem mais de 9 bilhões de metros cúbicos de água, formado pelos rios Paranapanema e Itararé.

Antes de chegar é preciso olhar a região de cima, do topo do Morro do Gavião, de onde se descortina um cenário deslumbrante – 360 graus de horizonte muito verde. Embaixo, a propriedade particular oferece estrutura para receber os turistas, como muitas outras pousadas, restaurantes e quiosques da região.

http://www.blogdomarcosjunior.com.br/2021/07/projeto-angra-doce-e-debatido-em.html

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *